Valores


Há não muito tempo atrás, vivia um conjunto de expectativas e de sonhos relativamente à minha prática desportiva e a um percurso de grandes resultados que todos me diziam ser possível dadas as minhas qualidades desportivas.

Recebi por isso uma quantidade inacreditável de opiniões, de tendências, de tentativas de influências e de orientações em relação ao que devia ou não fazer para o meu futuro. Confesso que não foi uma fase fácil… Se num dia tinha uma opinião que me parecia correta, no dia seguinte recebia conselhos duvidosos… A verdade é que para um jovem que está numa fase de crescimento e que pouco ou nada sabe acerca do percurso que deve construir, estes momentos são por vezes “momentos de pânico”. Tanto queremos, que nem sabemos os caminhos que devemos seguir…

Aos poucos, fui aprendendo quais os caminhos que deveria seguir e felizmente liguei-me às pessoas certas que me têm ajudado a construir um trabalho de equipa, que parece ser uma contradição com o fato de estar numa modalidade individual, mas que faz todo o sentido!

Hoje li com atenção o que disse o Papa Francisco e com as suas frases revi toda a minha curta carreira desportiva… Foi com as palavras do Papa Francisco que percebi que tenho sido capaz de seguir o caminho certo:

“A prática do desporto estimula uma sã superação de nós próprios e dos nossos egoísmos, gere o espírito de sacrifício, promove a fidelidade nas relações interpessoais, a amizade e o espírito pelas regras. A atividade desportiva caracteriza-se por unir e não dividir”. Tenho dado por mim a pensar nisto vezes sem conta. O desporto que estamos a viver nem sempre é o desporto que eu sempre idealizei. Nem sempre me identifico com certas formas de abordagem de certos “tipos” de desporto. Mesmo à distância, sinto-me por vezes desiludido por ver que várias pessoas apenas avaliam o desporto numa perspetiva de negócio e que não se preocupam minimamente em passar “valores desportivos aos atletas”.

A construção de valores desportivos deveria ser a base de crescimento de um atleta. Durante vários anos, fiquei também “ofuscado” pelos resultados desportivos e por promessas que me iam chegando daqui e dali, como se o desporto fosse apenas uma perseguição de resultados e não uma perseguição de valores e de formação humana. De fato a prática desportiva ensina-nos a superarmo-nos e enriquece-nos na nossa forma de estar, de nos relacionarmos com os outros e em perceber que em cada “adversário” está o companheiro que me permite evoluir e melhorar enquanto desportista.

Sinto-me por isso feliz, por ter encontrado o grupo de treino com que me envolvo, pelo espírito que partilhamos em cada momento de trabalho, nas aprendizagens diárias e na aprendizagem constante acerca da forma como nos devemos relacionar com os outros. As vitórias só fazem sentido, se se suportarem num verdadeiro trabalho de equipa e numa construção de uma mentalidade muito forte em que o respeito pelos outros será sempre um dos pilares principais.

Por isso me revejo nas palavras do Papa Franciso quando critica o desporto que se baseia “apenas em critérios económicos para conseguir vitórias a todo o custo e transforma os atletas em mera mercadoria para se atingir apenas o lucro”. Esta não é felizmente a realidade do Atletismo, mas tal como afirma o Papa “os atletas entram por vezes num mecanismo que os atropela. Perdem o verdadeiro significado  da sua atividade e a alegria pelo jogo que os apaixonou quando crianças e os levou a tantos sacrifícios para serem campeões”. É esta alegria que me recuso perder e que só é possível de manter se a “função educativa do desporto for preservada mantendo a retidão, rigor, moral e sentido de responsabilidade”.

É nisto que cada vez mais me revejo e são estes valores que me estão a fazer crescer, num dia a dia, repleto de aprendizagens que só são possíveis, se preservarmos valores éticos e educativos que farão de nós melhores a cada dia que passa. Nesta forma de estar no desporto, aprende-se de verdade e envolvemo-nos com a melhor escola de todas: A prática desportiva!